Exército identifica falhas e proíbe Taurus de comercializar pistola 24/7

0
928
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
ESPECIALTAURUS1 – Paulo Cabral-Sinpol-DF
Falhas resultaram em Processo Administrativo Sacionador contra a Taurus (Foto: Paulo Cabral/Arquivo Sinpol-DF)

Da Comunicação Sinpol-DF

O Sinpol-DF teve acesso a um documento assinado pelo comandante Logístico do Exército, o general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, que traz à luz uma série de problemas na empresa Forjas Taurus S/A – apontando para a necessidade de retirar determinados produtos de circulação.

No ofício, que foi enviado ao secretário de Segurança Pública do Estado do Paraná, Wagner Mesquita de Oliveira, o general compartilha “as principais conclusões alcançadas após o processo de investigação que iniciou-se em decorrência de informações que chegaram ao conhecimento do Comando do Exército, a respeito de possíveis problemas com as armas fabricadas pela empresa Forjas Taurus e que estariam colocando em risco os agentes públicos que as utilizam”.

24102016_taurus_pmsp
PM de São Paulo suspendeu licitacoes da Taurus por dois anos (Imagem: Reprodução)

O documento informa que foi instaurado procedimento de Verificação Sumária e que na inspeção realizada na fábrica da Forjas Taurus, “foi verificado que a empresa não possui política/gestão que busque conhecer as necessidades do cliente e seu grau de satisfação, bem como que oriente e forneça serviços de manutenção preditiva, preventiva ou corretiva”.

Saiba mais: Grupo de vítimas consegue 198 assinaturas para instalação da CPI da Taurus

Ele ressalta ainda que a empresa demonstrou que, “até passado recente, tinha deficiências em seu controle de qualidade na fabricação de produtos em escala industrial”.

ALTERAÇÕES

Foi apurada a existência de indícios de modificação do projeto da Pistola 24/7 e da Pistola 840, ambas calibre .40, sem autorização do Comando Logístico.

Enquanto a primeira apresentou alteração da trava do gatilho e no tirante do gatilho, a segunda passou por modificação do eixo do sistema de fixação das teclas do registro de segurança e na alavanca de desmontagem.

“Tal atitude demonstra a existência de indícios de violação de compromisso assumido quando da obtenção do registro perante o Sistema de Fiscalização de Produtos Controlados, compromisso esse de não modificar o produto controlado com produção já autorizada”, adverte o ofício.

Em função disso, foi instaurado um Processo Administrativo Sancionador (PAS) para “apurar a possível existência de irregularidades no trato com produtos controlados, relativas a modificações desautorizadas de Pistolas Taurus 24/7 e Modelo PT 840”.

Será analisada ainda a aplicação de sanções administrativas cabíveis, “por haver iminente risco à vida, à saúde, à integridade física e à segurança do usuário e da sociedade”, justifica o documento do Comando Logístico, que expõe ainda uma série de medidas acautelatórias já adotadas pelo Exército.

AJUSTES

Até que o PAS ao qual a empresa responderá tenha solução, foi definida a apreensão das pistolas modelo 24/7 existentes na linha de produção da empresa ou em estoque, bem como a suspenção e fim da comercialização desses armamentos, até que seja comprovado que a empresa solucionou os problemas de qualidade apresentados.

Também foi recomendado à Taurus prestar maior assistência a todos os adquirentes de quaisquer armas de fogo fabricadas por ela.

Entre as medidas estão orientações, em mídias e no site da empresa, quanto à necessidade de manutenção preventiva periódica, e a inclusão de planos de manutenção periódica, em assistência técnica própria ou credenciada pela empresa.

Outro ponto explicitado é a extensão dos recalls disponibilizados aos produtos adquiridos pelos Órgãos de Segurança Pública a todos os demais adquirentes.

LICITAÇÃO

Além do documento expedido pelo Comando Logístico do Exército, outra medida adotada pela Polícia Militar de São Paulo reforça a tese dos problemas com as armas da Taurus: a Consultoria Jurídica da corporação penalizou a fabricante a ficar dois anos sem licitar ou contratar com a Administração.

A punição é referente ao processo de aquisição de 5.9831 submetralhadoras do modelo SMT-40. O armamento foi adquirido em 2011, mas nunca foi utilizado porque apresentou problemas de funcionamento.

Nesse caso, as armas apresentavam defeitos como quebra do cano durante o disparo, travamento, disparos sem o acionamento do gatilho e rajadas de tiros involuntárias.

RECALL

O recall dos armamentos utilizados na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) é uma reivindicação recorrente do Sinpol-DF – pois os acidentes causados por armas da Forja Taurus, muitos com vítimas fatais, têm sido frequentemente denunciados em todo o Brasil.

Há meses, o sindicato tem cobrado que a PCDF siga o exemplo de outras forças de segurança e realize a troca das armas.

Outra luta é pela quebra do monopólio da Taurus no mercado nacional. Isso possibilitaria que armamentos de outros fabricantes e com mais qualidade possam ser utilizadas pelos policiais – a exemplo do que já acontece com a Polícia Federal, que utiliza armamento importado de alta qualidade.

rodapeO Sinpol-DF também está no WhatsApp. Adicione: (61) 999 197 197. Saiba mais.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.